Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 10 de Maio às 08h42

10 razões para não misturar bebidas alcoólicas com medicamentos

CRF-SP faz alerta sobre os riscos que essa perigosa combinação pode acarretar

Durante um tratamento de saúde, são muitos os que ficam com dúvidas que envolvem o uso de um determinado medicamento junto com bebidas alcoólicas. Neste cenário, o Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo (CRF-SP) faz um alerta à população sobre os riscos à saúde que a perigosa combinação entre álcool e medicamentos pode acarretar. Confira:

1. Com calmantes
A ação de bebidas alcoólicas com medicamentos que agem no Sistema Nervoso Central (SNC), como os barbitúricos e benzodiazepínicos pode acarretar o aumento do efeito sedativo, possibilidade de coma e insuficiência respiratória.
2. Com antibióticos
Dependendo do antibiótico, a combinação de bebidas alcoólicas com medicamentos pode levar a efeitos graves do tipo antabuse, como taquicardia, rubor, sensação de formigamento, náusea e vômito. Há a recomendação, inclusive, de que se deve aguardar por três dias após tratamento com metronidazol para voltar a beber álcool. Outros antibióticos que podem potencializar o efeito de hepatotoxicidade quando se ingere álcool são a eritromicina, rifampicina, nitrofurantoína.

3. Com anticonvulsivantes
Mais efeitos colaterais e risco de intoxicação. Também há risco de diminuição na eficácia contra as crises de epilepsia.

4. Com anti-inflamatórios não esteroidais
Aumentam o risco de úlcera gástrica e sangramentos como, por exemplo, o ácido acetilsalicílico, ibuprofeno e diclofenacos. Recomenda-se atenção máxima quando se constatar fezes escurecidas (sangrentas), tosse com sangue ou vômito que aparente borra de café. Devem procurar o serviço médico pois esses podem indicar hemorragia no estômago.

5. Com anti-hipertensivo
Com substâncias como o atenolol, pode-se ter efeitos aditivos em diminuir a pressão arterial. O indivíduo pode sentir dor de cabeça, tonturas, vertigens, desmaios e/ou alterações no pulso ou frequência cardíaca. Esses efeitos secundários são mais susceptíveis de serem vistos no início do tratamento, após um aumento da dose, ou quando o tratamento é reiniciado depois de uma interrupção.

6. Com antialérgicos
O uso de bebidas alcoólicas com medicamentos, como antialérgicos, aumenta o efeito sedativo e pode-se causar tonturas e desequilíbrio. Anti-histamínicos e álcool podem gerar efeitos indesejáveis como, por exemplo, no caso do uso de dextrometorfano e prometazina, o paciente pode sentir tonturas, sonolência e dificuldade de concentração. Algumas pessoas também podem sofrer confusão e prejuízo na capacidade de julgamento, bem como comprometimento na coordenação motora. Portanto, deve-se evitar ou limitar o uso de álcool durante tratamento com dextrometorfano.

7. Com antidiabéticos
Também pode causar efeito antabuse (náuseas, entre outros). Uso agudo de etanol prolonga os efeitos enquanto que o uso crônico inibe os antidiabéticos.

8. Com paracetamol
Pode causar sérios efeitos colaterais que afetam o fígado. Deve-se procurar o serviço médico imediatamente se sentir febre, calafrios, dor nas articulações ou inchaço, cansaço excessivo ou fraqueza, sangramento anormal ou hematomas, erupção cutânea ou prurido, perda de apetite, náuseas, vômitos ou amarelecimento da pele ou da parte branca dos olhos.

9. Com cafeína
A cafeína também é um diurético e o seu abuso em conjunto com o álcool pode levar a desidratação e piorar os sintomas da ressaca no dia seguinte.

10. Quanto tempo esperar
O fígado leva, aproximadamente, uma hora para metabolizar uma simples taça de vinho, chope ou ainda um daqueles copos bem pequenos de destilado. O CRF-SP recomenda que se espere, no mínimo, uma hora para cada dose de bebida alcoólica ingerida antes de tomar o medicamento.

Fonte: Guia da Farmácia
Link: https://guiadafarmacia.com.br/10-razoes-para-nao-misturar-bebidas-alcoolicas-com-medicamentos/

Veja também

Aumento nos casos de dengue: mais de 300 pessoas já morreram este ano03/09 Já são mais de 596 mil casos de dengue confirmados e número de mortes dobrou em relação a 2018, alerta a farmacêutica da Poupafarma Diferentemente do que aconteceu nos invernos anteriores, os casos de dengue não diminuíram. Isso porque aconteceram poucos períodos de baixas temperaturas, impróprio para o mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença. Além disso, outro fator que contribuiu foi a alta quantidade de......
Falta de higiene em centros de saúde afeta 2 bilhões de pessoas03/04 Sete mil bebês morreram, em 2017, pela inadequação no parto Uma em cada quatro unidades de saúde no mundo, considerando sobretudo os países em desenvolvimento, tem problemas graves de falta de serviços básicos de água e higiene, causando impacto em mais de 2......

Voltar para Notícias