Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 19 de Junho de 2019 às 08h41

Anvisa proíbe testes rápidos em farmácias

Testes laboratoriais remotos são uma forma de ampliar o atendimento à população, aumentando acesso e ampliando escopo de benefícios, se aplicados da forma correta

O Ofício 4/2019 proíbe farmácias e drogarias de todo o País a oferecer exames rápidos à população, conhecidos como testes laboratoriais remotos (TLR). A justificativa é que um dos equipamentos, disponíveis no mercado para esse fim, não entra na categoria de autoteste. Segundo o comunicado, ?atualmente existe restrição expressa na Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 44/09 para uso desse equipamento em farmácias e drogarias?.

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a RDC 44 permite a realização somente do teste de glicemia e a comercialização dos autotestes para detecção do HCG e anti-HIV. Portanto, qualquer exame fora dos citados, se ali for realizado, estará em desacordo com a resolução. Por outro lado, a Lei Federal 13.021/14 define que a farmácia é uma unidade de prestação de serviços de assistência à saúde, e o Conselho Federal de Farmácia (CFF) estabelece que o farmacêutico possui competência para o exercício do cuidado ao paciente, incluindo ações de rastreamento em saúde e acompanhamento farmacoterapêutico, entre outras atividades.

A realização desses testes pelo farmacêutico está baseada no avanço tecnológico e ocorre em conformidade com a RDC 302/05. Trata-se de um recurso que amplia o acesso da população a melhores cuidados com a saúde, ou seja, de acordo com especialistas do mercado, proibir a oferta do serviço configura-se como um retrocesso.

Fonte: Associação Brasileira das Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma)

Veja também

Farmácia on-line: uma nova maneira de comprar medicamentos27/08/19 Compras em farmácias on-line podem render até 97% de desconto em medicamentos Até a década de 1970, o costume de ir à farmácia do bairro para não só comprar este ou aquele xarope específico. Tal costume também envolvia uma ?consulta? com o farmacêutico. Assim, o farmacêutico muitas vezes fazia a vez de médico da família. Contudo, as sucessivas crises econômicas que assolaram o País no decorrer das décadas......
Brasil consome 56,6 milhões de caixas de calmantes e soníferos08/07/19 Em 2018, vendeu-se o equivalente a 1,4 bilhão de comprimidos de apenas oito princípios ativos Os brasileiros compraram, em 2018, mais de 56,6 milhões de caixas de medicamentos calmantes e soníferos. Sendo assim, mais de 6 mil caixas vendidas por hora ou,......
20 anos de Lei dos Genéricos19/03/19 Por Érica Sambrano* No Brasil, a Lei dos Medicamentos Genéricos (nº 9.787) foi implementada em 10 de fevereiro de 1999 com um objetivo macro muito claro: ampliar o acesso da população a tratamentos eficazes, seguros e, obviamente, mais baratos. É, sem......

Voltar para Notícias