Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 17 de Maio de 2019 às 09h05

Anvisa revê normas de boas práticas de fabricação

Novas regras sobre o tema entrarão em consulta pública nos próximos dias. Além de equiparar as normas brasileiras a padrões internacionais, medida deve favorecer o comércio de medicamentos nacionais no mercado mundial.

A Anvisa colocará em consulta pública a revisão das normas de boas práticas de fabricação (BPF) de medicamentos no Brasil, atualmente estabelecidas pela Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 17, de 2010. A proposta, que teve relatoria do diretor Fernando Mendes, foi apresentada nesta terça-feira (14/5) à Diretoria Colegiada (Dicol) e aprovada por unanimidade.

Com a aprovação da proposta, a Anvisa publicará, nos próximos dias, no Diário Oficial da União (D.O.U), as minutas de uma nova Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) contendo diretrizes gerais a serem cumpridas por todas as empresas que realizam as operações envolvidas na fabricação de medicamentos, incluindo os medicamentos experimentais, além de 14 Instruções Normativas (IN) detalhando as regras para determinadas classes de medicamentos, bem como procedimentos específicos a serem seguidos. O prazo para contribuições será de 60 dias, a partir da data de publicação dos documentos no D.O.U.

Comércio exterior
A proposta que irá à consulta foi elaborada com base nos guias da Convenção Farmacêutica Internacional e Esquema de Cooperação de Inspeção Farmacêutica (Pharmaceutical Inspection Co-operation Scheme ? PIC/s), que é o fórum mundial mais relevante para o estabelecimento de guias e treinamentos em inspeção farmacêutica. Os países membros dessa cooperação incluem os principais mercados consumidores de medicamentos, a destacar os Estados Unidos da América, o Canadá, 26 dos 28 membros da União Europeia, a Austrália, o Japão e a África do Sul.

Por isso, os objetivos da revisão das normas, prevista na Agenda Regulatória 2017-2020, são estabelecer a equivalência das BPF adotadas no Brasil a padrões internacionais, possibilitar a filiação da Anvisa ao PIC/s e favorecer a aceitação de medicamentos brasileiros em outros países. Um dos impactos esperados, portanto, é o incremento do comércio exterior de produtos brasileiros em diferentes mercados.

Discussão sobre a revisão
Antes da elaboração da nova RDC e das INs, a proposta de revisão das regras de boas práticas de fabricação de medicamentos foi apresentada ao setor regulado para ampla discussão sobre o impacto dessa medida na indústria farmacêutica nacional. Para isso, a Anvisa compartilhou com diversas associações de fabricantes os guias PIC/s utilizados na revisão das normas para a discussão sobre as mudanças.

A Agência também promoveu um Diálogo Setorial específico sobre o assunto, reunindo mais de 200 participantes. Portanto, a consulta pública finalizará o processo de revisão do marco regulatório sobre boas práticas de fabricação de medicamentos, com ampla participação do setor regulado e da sociedade em geral.

Fonte: Ascom/Anvisa
Link: http://portal.anvisa.gov.br/noticias/

Veja também

Falta de higiene em centros de saúde afeta 2 bilhões de pessoas03/04/19 Sete mil bebês morreram, em 2017, pela inadequação no parto Uma em cada quatro unidades de saúde no mundo, considerando sobretudo os países em desenvolvimento, tem problemas graves de falta de serviços básicos de água e higiene, causando impacto em mais de 2 bilhões de pessoas. Nesses locais não há instalações básicas para higiene das mãos e separação correta e segura de eliminação de resíduos. Os dados estão......
Abihpec ressalta importância de cuidados especiais no inverno05/08/19 Caderno de Tendências 2019-2020, elaborado pela Abihpec, mostra que consumidores estão cada vez mais cientes da influência do clima no corpo Nesta época do ano, além do frio, o ar fica mais seco na maioria dos estados brasileiros, o que faz com que a pele......
Não medicamentos indicam retomada e crescem mais de 10% no 1º tri27/05/19 Segundo a Abrafarma, resultado está bem acima dos registrados em 2017 e 2018 As vendas de não medicamentos voltaram a crescer dois dígitos, depois de dois anos consecutivos com altas inferiores a 5%. De acordo com a Associação Brasileira de Redes de......

Voltar para Notícias