Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 05 de Junho de 2019 às 16h28

Como oferecer uma alimentação adequada e saudável na infância

A obesidade infantil é um problema de saúde pública que pode provocar várias consequências para o futuro, como o surgimento de doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, entre outros. Mas como oferecer uma alimentação adequada e saudável para as crianças que hoje possuem um universo enorme de ofertas de alimentos?

É importante começar logo cedo, com a oferta do aleitamento materno exclusivo até os seis meses de vida e, após isso, a introdução da alimentação saudável com alimentos prioritariamente in natura. E a família tem um papel fundamental para ajudar os filhos a desenvolverem hábitos mais saudáveis. Isso porque, como as crianças imitam o que veem, os comportamentos alimentares estão associados aos dos familiares.

?O primeiro passo é como a família se organiza para que a casa tenha menos alimentos ultraprocessados. Além disso, é preciso envolver a criança na preparação da comida de uma forma mais lúdica, para que ela possa, desde cedo, valorizar a cultura alimentar e a alimentação feita em casa?, orienta Michele Lessa.

A má alimentação na fase infantil pode afetar não só o crescimento físico, mas também o seu desenvolvimento emocional. ?Uma criança obesa além de ter dificuldade de fazer atividades físicas com os coleguinhas, corre o risco de sofrer bullying afetando também o seu estado emocional?, destaca Lessa.

As famílias também devem evitar oferecer e encorajar as crianças a reduzirem o consumo de bebidas açucaradas, estimular a prática de atividade física e diminuir o tempo gasto com o mundo virtual. Mas a coordenadora chama atenção: a prevenção da obesidade não terá resultados se o ambiente da criança não for considerado.

?A culpa não é da criança, o meio que ela vive é que favorece ou não o excesso de peso. Quando há oferta de alimentação saudável nas creches e escolas e há espaços públicos para brincar e fazer atividade física, tudo fica mais fácil para as crianças. A família também deve evitar comprar refrigerantes e sucos de caixinha, biscoitos recheados, pizza, chocolate e outros alimentos com muita gordura, sódio e açúcar?, explica a coordenadora.

Tecnologia estimula o sedentarismo
A vida sedentária, facilitada pelos avanços tecnológicos (computadores, televisão, tablets, celulares), também fazem com que as crianças não façam atividade física. ?É importante evitar o excesso de tempo de tela, porque isso estressa criança e faz com que ela deixe de brincar, que já é uma atividade física. Fora isso, que as telas deixam as crianças ansiosas, e em alguns casos, elas recompensam na alimentação?, alerta Michele Lessa.

Outro ponto que a coordenadora traz é que quando existe uma exposição grande às telas, a publicidade também fica em maior evidência. ?Além das ofertas serem atrativas com embalagens coloridas, o preparo é mais fácil, prático e rápido. A publicidade traz inúmeras variedades, quanto menos tempo a criança ficar no mundo das telas, menos vulnerável ela ficará?, comenta a coordenadora.

Participação também das escolas
Para auxiliar os educadores, a Coordenação de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde oferece a cartilha ?As cantinas escolares saudáveis? para todas as escolas do Brasil.

Existe também o Programa Saúde na Escola, que atua com ações de prevenção da obesidade infantil nas escolas públicas com profissionais de saúde fazendo o acompanhamento do peso e estado nutricional dos escolares.

Quando necessário, o estudante é encaminhado para a unidade básica de saúde, onde recebe acompanhamento constante.

Por Luiza Tiné, para Blog da Saúde
Link: http://www.blog.saude.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=53889&catid=579&Itemid=50218

Veja também

Vendas de genéricos crescem 6,3% no primeiro semestre27/08/19 Economia proporcionada pela venda de genéricos bate a marca de R$ 138 bilhões em 20 anos. De cada dez medicamentos prescritos no País, seis são genéricos A indústria de medicamentos genéricos registrou crescimento de 6,29% no número de unidades vendidas nos primeiros seis meses deste ano no comparativo com igual período de 2018. No total, foram comercializadas mais de 700 milhões de unidades no semestre, de......
Venda de medicamentos da Abradilan cresce 7% nos oito primeiros meses do ano23/10/19 Nos primeiros oito meses de 2019, os associados da Abradilan totalizaram vendas de R$ 3,9 bilhões, representando um crescimento de 7% Nos oito primeiros meses de 2019, os associados da Associação Brasileira de Distribuição e Logística de Produtos......
Não medicamentos indicam retomada e crescem mais de 10% no 1º tri27/05/19 Segundo a Abrafarma, resultado está bem acima dos registrados em 2017 e 2018 As vendas de não medicamentos voltaram a crescer dois dígitos, depois de dois anos consecutivos com altas inferiores a 5%. De acordo com a Associação Brasileira de Redes de......

Voltar para Notícias