Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 11 de Julho de 2019 às 08h14

Economia em medicamentos: pesquisa aponta busca por opções mais baratas

Os clientes das farmácias estão cada vez mais aceitando os medicamentos genéricos. Esse é o resultado de uma pesquisa recente realizada pelo IFEPEC (Instituto Febrafar de Pesquisa e Educação Corporativa) em parceria com a Unicamp com 4.000 consumidores de farmácias em todo o país,

Segundo as respostas dos consumidores, 63,45% dos entrevistados compraram pelo menos uma unidade de genérico. Porém, os de marca continuam na preferência dos clientes, sendo que 63,55% compraram pelo menos uma unidade de marca.

Nos casos em que as pessoas adquiriram apenas um tipo de medicamento, o produto de marca volta a se destacar com 27,20% comprando apenas esse tipo de produto. Já 23,53% optaram apenas por genéricos e 4,60% por não medicamentos.

?Observa-se nesse ponto um aspecto interessante desse mercado, que é o crescimento dos genéricos, porém ainda se tem uma força contínua dos medicamentos de marca. Também se observa que a aquisição de não medicamentos normalmente vem associada a aquisição de medicamentos?, explica Edison Tamascia, presidente da Febrafar, entidade que solicitou a pesquisa.

Motivação é preço
Dentre os motivos do destaque desses medicamentos, com certeza está o preço. Na mesma pesquisa os consumidores ao serem questionados sobre quais os critérios de escolha de uma farmácia, ficou bem claro que o bolso e a comodidade são fatores primordiais na decisão, deixando vários outros de lado.

Dos entrevistados: 64,95% afirmaram acreditar que as farmácias onde efetuaram suas compras praticam preços mais baixos que os concorrentes e 24,50% apontaram a localização como fator importante para a escolha. Além desses fatores, foram considerados também: o estoque (6,25%), a facilidade de estacionar (1,58%), possuir atendimento da Farmácia Popular (1,35%) e o bom atendimento (0,88%).

Sobre a pesquisa

A Pesquisa de Comportamento do Cliente na Farmácia 2019 foi coordenada pelo IFEPEC (Instituto Febrafar de Pesquisa e Educação Corporativa) em parceria com o NEIT ? Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia, do Instituto de Economia da Unicamp, entrevistou 4 mil clientes.

Estes foram selecionados de acordo com os agrupamentos do mercado farmacêutico, isto é: Abrafarma, Outras Redes Corporativas, Febrafar, Outros Agrupamentos e Farmácias do segmento Independentes. Os clientes foram entrevistados no momento que saíam das farmácias nas quais efetuaram a compra.

Fonte: Blog do Wagner Gil

Veja também

Senado volta a discutir fracionamento de remédios19/08/19 O projeto de lei que discute o fracionamento de remédios recebe apoio da Anvisa e é criticado pela Abrafarma e pela indústria É comum que as pessoas recorram diretamente a uma farmácia para se medicarem. Isso ocorre , especialmente quando o que sentem não lhes parece tão grave. Afinal, o farmacêutico é o agente de saúde mais à mão embora não possa entregar ao paciente remédios cuja prescrição seja reservada a......
Proibidos alimentos com Moringa oleifera05/06/19 Decisão baseia-se no fato de não haver avaliação e comprovação de segurança do uso da espécie Moringa oleifera em alimentos. A Anvisa proibiu, nesta terça-feira (4/6), a fabricação, a importação, a comercialização, a propaganda e a distribuição de todos os......
Médicos recorrem à tecnologia para aliviar a dor de pacientes02/04/19 Tratamentos que unem técnicas modernas com medicamento prometem reduzir incômodos, e podem ser encontrados em hospitais públicos e clínicas particulares Rio - Sentir dor não é normal. E para alcançar o alívio, ou até mesmo cessar esses incômodos, pacientes......

Voltar para Notícias