Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 28 de Maio de 2019 às 10h54

Especialista enfatiza prioridade na regulamentação da telemedicina

A telemedicina muda o modelo de negócio, a remuneração e toda a cadeia da saúde. 2019 é o ano da virada. Estima-se que de 20 a 25% das consultas serão feitas remotamente nos próximos 5 anos. A preocupação desse ano é resolver a questão da consulta remota, telemedicina, estabelecer um relacionamento remoto entre o médico e o paciente. Em SP já existem 3 mil médicos atuando dessa forma.


Essa é a opinião de Guilherme Hummel, coordenador cientifico do HIMSS@Hospitalar e head mentor do Health Mentor Institute, acrescentando que um dos principais desafios é quebrar o corporativismo do setor.

Em fevereiro, o Conselho Federal de Medicina (CFM) revogou a resolução 2.227/2018, que regulamenta a prática da telemedicina. Semanas antes, o mesmo conselho havia aprovado o texto, mas recebeu uma série de propostas para modificá-lo, além de ter sofrido com protestos por parte da classe médica. Com a mudança, estariam permitidos no país consultas, exames e cirurgias a distância. Os críticos questionaram a garantia de sigilo das informações médicas e os riscos quanto à qualidade do atendimento ao paciente.

A Telemedicina deve movimentar no Brasil nos próximos cinco anos entre US$ 7 bilhões e US$ 8 bilhões. Segundo Hummel, mesmo com sua adoção e regularização do serviço por parte do CFM, 20% a 25% das consultas médicas serão a distância, o que representará de 20 mil a 30 mil consultas anuais

“A média de uma consulta no país é de 7 minutos e no sistema público as pessoas podem esperar até 3 meses para ser atendidas. Existem no mundo mais de 7 bilhões de pessoas com 1,3 de patologias por pessoa. Estudos indicam que o mundo precisa de 8 milhões de médicos. E será impossível formarmos tantos médicos em um curto espaço de tempo. A telemedicina pode ajudar a resolver parte dessa demanda. A India, por exemplo, um país com enormes carências, conseguiu reduzir 20% o glaucoma com teletriagem”, ressalta.

“Temos no Brasil cerca de 6 mil hospitais e apenas 10% deles faz triagem. Ficam na mesma fila de atendimento alguém que está com gripe e alguém com AIDS. A telemedicina pode ajudar nessa triagem e direcionar o paciente”, acrescenta. ,

Segundo a Organização Mundial de Saúde, no mundo hoje há um déficit de 8 milhões de médicos. “A telemedicina pode suavizar esse déficit, pois mesmo que haja um investimento maciço na formação de médicos, é necessário um tempo longo para essa formação”, enfatiza.

Link: http://forumsaudedigital.com.br/especialista-enfatiza-prioridade-na-regulamentacao-da-telemedicina/

Veja também

Anvisa aprova primeiro medicamento específico para tratamento preventivo da enxaqueca29/03/19 A Anvisa, órgão de regulação de saúde do Brasil, aprovou em 25/03/2019 o primeiro tratamento preventivo específico para enxaqueca no país4. Trata-se do medicamento biológico erenumabe, comercialmente registrado como PasurtaÔ. Ele será comercializado pela Novartis no Brasil e a previsão é que a população poderá adquiri-lo ainda no primeiro semestre de 2019. Erenumabe é o primeiro anticorpo monoclonal totalmente......
Falta de higiene em centros de saúde afeta 2 bilhões de pessoas03/04/19 Sete mil bebês morreram, em 2017, pela inadequação no parto Uma em cada quatro unidades de saúde no mundo, considerando sobretudo os países em desenvolvimento, tem problemas graves de falta de serviços básicos de água e higiene, causando impacto em mais de 2......
Tecnologias alteram consumo no varejo farmacêutico10/09/19 A principal alteração de consumo no varejo farmacêutico causada pela tecnologia é a automação do processo de compra. Ao invés de ir até o estabelecimento é possível enviar os itens necessários para o consumidor antes de ele ter a necessidade As tecnologias......

Voltar para Notícias