Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 29 de Março de 2019 às 08h24

Estilo de vida é fator determinante para manter a saúde do coração

A OMS (Organização Mundial da Saúde) estima que 80% das mortes por doenças cardíacas no mundo seriam evitadas apenas com mudanças no estilo de vida.

“Tirando as doenças congênitas, os outros males que acometem o coração e podem culminar em insuficiência cardíaca são evitáveis”, diz o cardiologista Félix Ramires, responsável pelo Programa de Insuficiência Cardíaca do HCor (Hospital do Coração).

O médico cita como exemplo a classificação da American Heart Association para caracterizar os estágios de insuficiência cardíaca —síndrome em que o coração se torna incapaz de bombear sangue suficiente para atender às necessidades do organismo.

No estágio inicial, a pessoa ainda não mostra sinais da doença, mas tem fatores de risco, como tabagismo, obesidade e alcoolismo.

Segundo Ramires, nessa fase é quando há maior chance de evitar a progressão do quadro, deixando de lado o cigarro e o álcool, controlando o peso e cortando alimentos que favorecem males como hipertensão e diabetes.

O tabagismo, explica, tem ação direta no sistema cardiovascular, aumentando o risco de obstrução das artérias, o que pode aumentar a pressão arterial e até levar ao infarto.

“É o hábito mais difícil de ser abandonado pela dependência psicológica e química. Alguns precisam de um tratamento personalizado, farmacológico e psicoterápico”, diz.

Já o álcool é uma substância cardiotóxica, que provoca alterações nas células do coração. “As que não morrem com a toxicidade do álcool perdem parte da função”, afirma.

Apesar de a literatura médica ser controversa, a recomendação de Ramires é não consumir mais de 30 gramas de álcool por dia, o que equivale a uma dose de uísque, uma taça de vinho ou até duas latas de cerveja.

Já os demais fatores estão associados a aspectos comportamentais. O estresse crônico, por exemplo, aumenta a quantidade de hormônios como adrenalina, noradrenalina e cortisol na corrente sanguínea. Essas substâncias elevam a frequência cardíaca e a pressão arterial, o que pode lesar o coração.

Denilson Albuquerque, diretor da SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia), lembra que quem tem diabetes, hipertensão ou colesterol alto não pode deixar de tomar os medicamentos.

“As pessoas têm dificuldade de entender que precisam do remédio para o resto da vida. Não é uma pneumonia, que a pessoa toma a medicação por sete dias e fica bem”, afirma.

Dados da OMS de 2016 mostram que Coreia do Sul, França e Japão são os países com menor índice de mortalidade por doenças do coração.

Com culturas e hábitos diferentes, esses países têm em comum níveis baixos de obesidade. Na Ásia, a alimentação é rica em peixes e vegetais e pobre em gordura.

“Na França, podemos citar o valor que a população dá ao momento da refeição. Eles consomem porções menores, possuem hábitos da dieta mediterrânea e ingerem menos açúcares”, explica Leilane Giglio, nutricionista responsável pelo programa de insuficiência cardíaca do HCor (Hospital do Coração).

A dieta mediterrânea é associada à menor incidência de doenças cardíacas e a altas taxas de longevidade em países como Itália e Grécia. O cardápio se baseia no consumo de peixes, grãos, vegetais, legumes e frutas frescos e azeite de oliva.

Segundo Giglio, o ideal é manter uma dieta regrada pelo menos durante a semana, controlando a ingestão de sódio (presente em industrializados, embutidos e enlatados) e gorduras saturadas, e consumindo alimentos ricos em fibras, como grãos integrais, frutas com casca, verduras, leguminosas e cereais.

Aos finais de semana, a recomendação é não exagerar: a pessoa pode comer uma fatia média de bolo em uma festa, mas não pode repetir.

A nutricionista do Incor Anna Carolina Di Creddo Alves explica que nenhum nutriente deve ser visto de forma isolada. O ômega 3, por exemplo, é recomendado para situações específicas, mas sozinho não promove a saúde do coração.

“Um só alimento não é a solução dos problemas. É o contexto de uma alimentação equilibrada que fará diferença”, afirma.

O exercício físico, por sua vez, ajuda a controlar a frequência cardíaca, fazendo o coração trabalhar menos e de forma mais eficiente, explica Carlos Eduardo Negrão, diretor da Unidade de Reabilitação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do Incor.

“As pessoas ativas têm capacidade física maior e vivem 15 a 20 anos mais do que as pessoas sedentárias, independentemente de ter uma doença cardiovascular”, diz.

Antes de iniciar uma rotina de exercícios, Negrão reforça que é necessário consultar o médico e fazer uma avaliação cardiovascular. A partir daí, a recomendação é praticar atividades de três a cinco vezes por semana, com duração de 60 minutos cada sessão.

Para se tornar um hábito, o exercício não pode ser um sacrifício, tem que ser prazeroso. “Não adianta a gente falar: o melhor exercício para você é hidroginástica. Se a academia fica a uma hora de casa, a pessoa não vai fazer. Tem que ser prazerosa e fácil”, diz o cardiologista Félix Ramires.

Fonte: Folha de São Paulo
Link: https://www1.folha.uol.com.br/seminariosfolha/2019/03/estilo-de-vida-e-fator-determinante-para-manter-saude-do-coracao.shtml

Veja também

Anvisa reduz burocracia com novas resoluções15/04/19 Menos burocracia e mais facilidade nos processos de registro de medicamentos. Essa premissa do trabalho da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vem ganhando ainda mais ênfase na gestão da nova diretoria colegiada. Em entrevista exclusiva, Daniela Marreco Cerqueira, que comanda a gerência de produtos biológicos, destacou algumas das mais recentes deliberações que vão ao encontro dessa......
Anvisa finaliza fase de testes da rastreabilidade30/05/19 A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) acaba de concluir a fase experimental do Sistema Nacional de rastreabilidade de medicamentos (SNCM), que contou com a participação de mais de 15 empresas, entre indústrias, distribuidoras, farmácias e......

Voltar para Notícias