Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 02 de Abril às 10h03

Médicos recorrem à tecnologia para aliviar a dor de pacientes

Tratamentos que unem técnicas modernas com medicamento prometem reduzir incômodos, e podem ser encontrados em hospitais públicos e clínicas particulares

Rio - Sentir dor não é normal. E para alcançar o alívio, ou até mesmo cessar esses incômodos, pacientes recorrem a tratamentos especiais. Em clínicas particulares e pelo SUS já é possível aliar medicamentos à equipamentos e recursos de alta tecnologia. O Cool-Pulse, por exemplo, massageia os músculos, relaxando-os, melhorando também o fluxo sanguíneo. Injeções de toxina botulínica (botox) e lidocaína também prometem um bom resultado, pois bloqueiam os estímulos nervosos gerando um efeito anestésico e duradouro no paciente.

Na cidade do Rio, a Clínica da Dor do Hospital Universitário Pedro Ernesto, em Vila Isabel, conta com 18 especialistas e atende 400 pessoas por mês no combate à dor. A entrada para esse serviço começa pela triagem, e o paciente entra na fila de espera do Sisreg. Lá são oferecidos serviços gratuitos de anestesiologia, neurologia, psiquiatria, psicologia, fisioterapia, educação física e acupuntura. "Nosso grande diferencial é a interdisciplinaridade. Tratamos da dor através de diferentes perspectivas, isso enriquece o serviço prestado e quem ganha é o paciente", afirma a médica acupunturista Maria Emília Mattos.

Levantamento da Sociedade Brasileira do Estudo da Dor (SBED) mostra que das 990 pessoas entrevistadas na última pesquisa, em 2017, 42% admitiram ter alguma dor crônica. São incômodos sentidos lentamente, mas que, após três meses, entram na rotina do paciente. A prevalência é entre as mulheres, que se queixam principalmente de dores difusas, em várias regiões do corpo. Já a dor nas costas é a mais comum entre os homens. "É muito importante que, a partir da detecção, um médico seja procurado para evitar que uma simples dor gere algo mais grave", aconselha Norma Fleming, da SBED.

No mercado de combate à dor, a toxina botulínica (botox) e a lidocaína custam, em média, R$ 2 mil. Para quem não gosta de receber agulhadas, as estimulações magnéticas transcranianas agem sobre o sistema nervoso central, induzindo a liberação de substâncias analgésicas do próprio organismo. Estima-se que o valor desse procedimento é de R$ 600. Já o Cool-Pulse está na faixa dos R$ 500.

Diferentemente dos opiáceos - espécie de morfina oferecida pelo SUS -, os opioides são adesivos analgésicos utilizados para dores musculares e neuropáticas. Sua ação atinge todas as partes do corpo e a transmissão ocorre através da pele. Cada pacote com 12 unidades custa cerca de R$ 30. As terapias alternativas são muito procuradas pelos pacientes e, no SUS, mais de 30 técnicas estão disponíveis de graça, como a acupuntura, que consiste no estímulo de pontos espalhados pelo corpo e a quiropraxia, que utiliza massagens para corrigir estímulos nervosos em várias partes do corpo.

Fonte: https://odia.ig.com.br/vida-saudavel/saude/2019/03/5628558-medicos-recorrem-a-tecnologia-para-aliviar-a-dor-de-pacientes.html

Veja também

Simplificadas regras para farmácias e drogarias02/07 Novo regulamento, que deve ser publicado nos próximos dias, otimiza o processo de concessão de Autorização de Funcionamento e de Autorização Especial de farmácias e drogarias A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)aprovou a atualização do marco regulatório que trata sobre os procedimentos para a concessão, a alteração e o cancelamento da Autorização de Funcionamento (AFE) e de......
Antibióticos estão entre os medicamentos mais usados pelos brasileiros07/05 Segundo pesquisa do CFF, classe só perde para os analgésicos e antitérmicos Uma pesquisa realizada pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF), por meio do Instituto Datafolha, identificou os medicamentos mais utilizados pelos brasileiros nos últimos seis......
Anvisa aprova duas consultas públicas para Cannabis medicinal12/06 As duas propostas de Resoluções da Diretoria Colegiada (RDCs) que entrarão em consulta foram produzidas a partir de estudos e evidências científicas sobre o benefício terapêutico de medicamentos feitos à base da planta. Uma delas trata dos requisitos......

Voltar para Notícias