Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 12 de Abril às 09h00

Pesquisa mostra importância de programas de fidelidade em farmácias

Os programas de fidelidades estão em alta nas farmácias, com a população buscando cada vez mais esses benefícios. Esse é um dos resultados que a Febrafar apresentou com a Pesquisa de Comportamento do Cliente na Farmácia 2019.

Segundos os dados, a representatividade de programa de fidelidade é crescente e nota-se que grande parte da população já aderiu a algum desses programas. Fato é que, dos entrevistados, apenas 15,35% afirmaram não participar de nenhum programa. Portanto, 84,66% dos entrevistados disseram participar.

Os dados correspondem aos crescentes resultados que as redes da Febrafar obtêm com a utilização Painel de Estratégias Competitivas (PEC), seu programa de fidelidade. O modelo que permite as lojas fidelizar seus clientes que deu tão certo que os números são impressionantes.

Atualmente já são 17,77 milhões de cadastros no PEC e apenas no último mês de fevereiro foram mais 343.677 novos cadastros. Nesse mesmo período de fevereiro foram movimentados no programa o valor de R$248 milhões em grande parte do território nacional

“O programa de fidelização é de grande aceitação pelo público das farmácias, isso principalmente pelo fato de apresentar reais benefícios para os clientes na hora da compra de produtos. Outro ponto de destaque é abrangência do programa, que, por estar em grande parte de nossas redes, pode ser encontrado em praticamente todo o país”, explica o diretor operacional da Febrafar, Ney Arruda.

Mais resultados da pesquisa

Outros dados relevantes foram que os clientes brasileiros apresentam altos índices de frequência às farmácias: 60,94%, procuram a farmácia mais de uma vez por mês, destes 32,28% frequentam em média duas vezes, 22,53% de três a quatro e 6,13% cinco vezes ou mais.

A pesquisa também demostrou que a maioria dos clientes preferem comprar sempre na mesma farmácia, seja na loja que estava (67,65%) ou em outra (22,85%). Apenas 9,50% disseram comprar em lojas diferentes, ou seja, não possuem fidelidade à loja.

“Com essa pesquisa fica comprovado que a fidelização dos clientes é uma estratégia fundamental para assegurar o crescimento consistente da farmácia. Para que isso aconteça o comerciante precisa sempre aprimorar seus pontos positivos. Um mercado que tem o índice de fidelidade de 90,5% faz com que seja fundamental estar muito atento, para não perder seu público. A recuperação se mostra muito difícil”, explica o presidente da Febrafar.

A pesquisa coordenada pelo IFEPEC (Instituto Febrafar de Pesquisa e Educação Corporativa) em parceria com o NEIT – Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia, do Instituto de Economia da Unicamp, entrevistou 4 mil clientes. Estes foram selecionados de acordo com os agrupamentos do mercado farmacêutico, isto é: Abrafarma, Outras Redes Corporativas, Febrafar, Outros Agrupamentos e Farmácias do segmento Independentes. Os clientes foram entrevistados no momento que saíam das farmácias nas quais efetuaram a compra.

Compra quase certa

A pesquisa também apontou que a maioria das pessoas que entrou nas farmácias, adquiriu aquilo que foi procurar ou pelo menos parcialmente. Apenas 3,13% não comprou o que pretendia, frente a 80,68% que comprou tudo que necessitava e outros 16,20% que fez aquisição parcial.

“Fato interessante é que: quando uma pessoa entra em uma farmácia a compra já é praticamente certa. Quando essa compra não ocorre, geralmente, se dá por problema de falta de estoque da loja”, avalia Tamascia.

Em contrapartida, dentro da farmácia se observa que a troca de produtos (por de outras marcas ou por genéricos) é mais intensa. Isso ocorreu para 28,83% dos clientes e, nesses casos, o principal motivo foi o preço (54,38%), seguido pela falta do medicamento que desejavam (41,95%) e os demais (3,68%) apontaram motivos diversos.

Nesta questão se observa a força que o genérico vem obtendo no mercado: 75,45% dos clientes trocaram um produto de marca por esse tipo de medicamento. Apenas 24,55% trocaram o produto genérico por um de marca.

Também é importante ser considerada a baixa influência do atendente nessa troca: em 84,20% das vezes que isso ocorreu a iniciativa foi do cliente e em apenas 15,80% isso ocorreu por direcionamento do atendente.

Sobre a pesquisa

A pesquisa foi coordenada pelo IFEPEC (Instituto Febrafar de Pesquisa e Educação Corporativa) em parceria com o NEIT – Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia, do Instituto de Economia da Unicamp, entrevistou 4 mil clientes. Estes foram selecionados de acordo com os agrupamentos do mercado farmacêutico, isto é: Abrafarma, Outras Redes Corporativas, Febrafar, Outros Agrupamentos e Farmácias do segmento Independentes. Os clientes foram entrevistados no momento que saíam das farmácias nas quais efetuaram a compra.

“O objetivo da pesquisa foi extrair um retrato mais próximo da realidade do comportamento dos clientes nas farmácias de cada região e dos seus respectivos agrupamentos e, com isso, permitir aos proprietários de farmácias e de redes de lojas a análise das características do mercado, facilitando a tomada de decisão”, avalia o presidente da Febrafar, Edison Tamascia.

Link: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/04/04/pesquisa-mostra-importancia-de-programas-de-fidelidades-em-farmacias/

Veja também

UFG desenvolve medicamento que reverte overdose de cocaína10/05 Lançamento no mercado depende de parceria com a indústria farmacêutica A Universidade Federal de Goiás (UFG) anunciou o desenvolvimento de uma nanopartícula capaz de capturar a cocaína em circulação na corrente sanguínea e, assim, evitar os efeitos da droga, até mesmo quando consumida em quantidades que causam ?overdose? e podem levar à morte. A nanopartícula é administrada por meio de medicamento intravenoso.......
Semana da Vacinação nas Américas tem como meta proteger 70 milhões de pessoas23/04 A Semana de Vacinação nas Américas, realizada pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), tem como lema este ano ?Proteja sua comunidade. Faça sua parte. #VacineSe?. A meta é imunizar cerca de 70 milhões de pessoas contra doenças evitáveis. A semana......
ONU: uso excessivo de remédios pode matar 10 milhões ao ano até 205030/04 Relatório de entidades ligadas à Organização das Nações Unidas (ONU), divulgado hoje (29), alerta que o uso excessivo de medicamentos e os consequentes casos de resistência antimicrobiana podem causar a morte de até 10 milhões de pessoas todos os anos até......

Voltar para Notícias