Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 15 de Março de 2019 às 08h55

Pressionada pelo setor farmacêutico, indústria recua 0,8% em janeiro

A indústria brasileira começou o ano sem fôlego, com perda continuada de dinamismo. Em janeiro, a produção industrial registrou queda de 0,8% na comparação com o mês imediatamente anterior, divulgou o IBGE nesta quarta-feira. Pelo terceiro mês consecutivo sem recuperação industrial, a pesquisa mostra uma retração generalizada dos setores. Em relação a janeiro de 2018, a indústria recuou 2,6% e registrou o pior desempenho em bens de capital, que caiu 7,7%, ocasionada pela diminuição na produção de máquinas e equipamentos para a própria indústria.

Entre as categorias, o principal impacto negativo de janeiro em relação ao mês anterior foi na indústria farmacêutica, com queda de 10,3%. Além disso, a produção de bens de capital (máquinas e equipamentos) apresentou variação negativa de 3%.

? Com base no mês imediatamente anterior, o principal impacto de queda vem da área farmacêutica, que vinha crescendo em dois meses em sequência, principalmente ocasionada pelo fator pontual das férias coletivas tiradas pelos funcionários em janeiro, e não em dezembro, diminuindo a produção. Porém, é um setor cujas taxas oscilam bastante mês a mês ? destacou André Macedo, gerente da Pesquisa Industrial Mensal do IBGE.

Em relação a dezembro de 2018, houve perda em 13 dos 26 ramos pesquisados pelo IBGE. O recuou acentuado dos bens de capital no primeiro mês do ano refletem a fraqueza de investimentos no setor.
? A perda do ritmo da indústria, principalmente no segundo semestre do ano passado, ainda mostra impactos vindos por conta da crise na Argentina. Há incerteza na economia, o que posterga os investimentos, impactando o resultado dos bens de capital. Estamos com investimentos meio travados para a indústria como um todo. Os bens de consumo semi e não duráveis apresentam resultado negativo porque as famílias estão postergando o consumo, principalmente por conta da alta taxa de desemprego ? explica Luana Miranda, pesquisadora da área de Economia Aplicada do FGV-IBRE.

As variações negativas mostram que alguns setores têm mais dificuldades do que outros para se recuperar, mas a demanda de um ramo industrial por outro impacta no resultado geral.

? É um desempenho muito decepcionante de um setor que precisa recuperar 17% em relação ao pico atingido em maio de 2011. A disseminação das taxas negativas mostra que há um problema de recuperação.A categoria de bens intermediários, embora não seja a que mais retroagiu em janeiro, apresenta cinco meses consecutivos de queda. Chamo atenção porque é o eixo do sistema industrial, porque produz insumo para os outros setores industriais. A fragilidade é acumulativa ? explica Rafael Cagnin, economista do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi).

A indústria extrativa, com sua queda de 1%, também foi outro setor que afetou a indústria brasileira em janeiro. No entanto, pondera Macedo, ainda não foi possível mensurar exatamente os efeitos da tragédia envolvendo a mineradora Vale em Brumadinho, Minas Gerais.

? Em relação aos resultados desse mês para o setor extrativo, considero colocar na conta dessa queda de 1% os efeitos do rompimento da barragem em Brumadinho como algo prematuro, uma vez que o desastre ocorreu no fim mês de referência para a pesquisa. Se influenciou para essa queda, foi uma contribuição pequena. Porém, não descarto os efeitos disso para os próximos meses.

Fonte: O Globo
Link: https://oglobo.globo.com/economia/pressionada-pelo-setor-farmaceutico-industria-recua-08-em-janeiro-1-23516656

Veja também

Prescrição médica digital e farmácias: esta relação pode dar certo?13/06/19 A realidade, o dia a dia, o perfil das farmácias e drogarias no Brasil e também de seus clientes vêm mudando muito nos últimos anos. Com uma base atualizada em tempo real com referências de milhares de medicamentos, uma ferramenta tecnológica traz mais segurança para que o médico passe a prestar assistência. Ela mostra a posologia, possíveis interações medicamentosas, alertas de alergias, além de informações para o......
Alanac quer rever norma de precificação de remédios04/04/19 Criada há 36 anos, a Associação dos Laboratórios Farmacêuticos Nacionais (Alanac) vem trabalhando pela modernização da regra de regulação de preços de medicamentos. Segundo o diretor executivo Henrique Tada, a entidade já recebeu da Câmara de Regulação do......
Eficácia da vacina contra HPV é maior quando aplicada entre 9 e 14 anos09/07/19 A vacinação é a melhor forma de prevenir doenças, apesar do desconforto da agulha para alguns. Mas é importante entendermos que a ?picadinha? deve ser parte da nossa rotina, sendo fundamental para evitar doenças graves, como por exemplo, o câncer do colo do......

Voltar para Notícias