Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 27 de Agosto de 2019 às 08h09

Vendas de genéricos crescem 6,3% no primeiro semestre

Economia proporcionada pela venda de genéricos bate a marca de R$ 138 bilhões em 20 anos. De cada dez medicamentos prescritos no País, seis são genéricos

A indústria de medicamentos genéricos registrou crescimento de 6,29% no número de unidades vendidas nos primeiros seis meses deste ano no comparativo com igual período de 2018. No total, foram comercializadas mais de 700 milhões de unidades no semestre, de acordo com balanço da Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos (PróGenéricos) a partir de dados da IQVIA.

No mesmo intervalo, as vendas de medicamentos de referência, ou inovadores, registram queda de 0,20%. Esse resultado tem como referência o ano anterior. Além disso, os similares cresceram 2,93%. Assim, os números de vendas de genéricos confirmam a posição desta categoria de medicamentos como motores de crescimento da indústria farmacêutica no mercado doméstico, bem como o principal instrumento de ampliação do acesso a medicamentos no País.

Com o resultado, os genéricos fecharam o semestre com 34,07% de participação do mercado medicamentos, em unidades. Isso representa o melhor índice da série desde que chegaram ao mercado no ano 2000. O índice corresponde apenas às vendas de genéricos realizadas no varejo. O índice não compreende as vendas para hospitais e setor público.

De acordo como balanço da PróGenéricos, os genéricos também registraram forte aderência da classe médica no primeiro semestre do ano. Dos dez medicamentos mais prescritos no País no período, seis são genéricos. ?Esse indicador demonstra claramente a confiança dos médicos no segmento?, diz a presidente da PróGenéricos, Telma Salles.

De acordo com Telma os resultados do semestre mostram que os genéricos estão cumprindo seu papel de viabilizar o acesso dos consumidores a medicamentos no País. ?Mais baratos e com a mesma qualidade dos medicamentos de referência, os genéricos estão garantindo que os consumidores consigam seguir com seus tratamentos. Isso é essencial neste momento de crise econômico e forte aperto no orçamento das famílias?.

Outras informações sobre as vendas de genéricos
Os genéricos, por lei, custam 35% menos que os medicamentos de referência. Na prática, com os descontos oferecidos pelos fabricantes, o índice de redução de preços pode chegar a até 60% no varejo farmacêutico.

Os medicamentos genéricos chegaram ao mercado em 2000. Assim, desde então, eles já proporcionaram R$ 137,8 bilhões em economia de gastos com medicamentos para os consumidores brasileiros. O valor é potencialmente maior, uma vez que indicador só considera os 35% de desconto previsto na lei.

Atualmente 120 laboratórios fabricam medicamentos genéricos no País.

Fonte: Guia da Farmácia

Veja também

Venda de remédios em supermercados pode virar lei22/07/19 O plano para transformar medicamentos em mercadorias continua. Depois da tentativa do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) de emplacar um projeto de lei para liberar medicamentos isentos de prescrição (MIPs) em todos os estabelecimentos comerciais, governo e Congresso voltam a encampar a ideia. A MP 881, conhecida como Medida Provisória da Liberdade Econômica, deve incluir essa possibilidade no texto final do projeto,......
Alanac quer rever norma de precificação de remédios04/04/19 Criada há 36 anos, a Associação dos Laboratórios Farmacêuticos Nacionais (Alanac) vem trabalhando pela modernização da regra de regulação de preços de medicamentos. Segundo o diretor executivo Henrique Tada, a entidade já recebeu da Câmara de Regulação do......
França alerta sobre uso de ibuprofeno e cetoprofeno22/04/19 A Agência Nacional de Segurança do Medicamento e dos Produtos de Saúde (ANSM) da França fez uma advertência sobre os riscos do uso das substâncias ibuprofeno e cetoprofeno ? medicamentos com função analgésica, antitérmica e anti-inflamatória muito usados no......

Voltar para Notícias