Quero ser cliente
Central de Vendas 54 99694 8391
Postado em 16 de Abril de 2019 às 08h23

Inteligência artificial pode prever mortes prematuras, diz estudo

Pesquisa em Nottingham diz que machine learning melhorará a saúde preventiva

Um estudo realizado por especialistas da Universidade de Nottingham, na Inglaterra, indica que computadores que são capazes de prever mortes prematuras de humanos serão de grande ajuda para a medicina preventiva do futuro.

Liderado pelo professor assistente de epidemiologia e ciência de dados, Stephen Weng, o time de pesquisadores desenvolveu um sistema que aprende automaticamente (por meio de machine learning) a desenvolver algoritmos para prever o risco de mortes prematuras por doenças crônicas em uma população.

?Saúde preventiva é uma crescente prioridade na luta contra doenças sérias, então nós estamos trabalhando por muitos anos para melhorar a precisão das análises computadorizadas sobre riscos de saúde na população geral?, disse Weng ao site da Universidade de Nottingham, complementando que as tecnologias atuais tendem a focar em apenas uma área de risco.

O sistema desenvolvido pelos pesquisadores é capaz de prever riscos baseando-se em dados sobre a demografia, a biometria, os resultados clínicos e até o estilo de vida de cada indivíduo avaliado, incluindo seu consumo diário de frutas, vegetais e carnes. ?Nós descobrimos que máquinas automatizadas para ler algoritmos são significantemente mais precisas do que a previsão comum realizada por um humano?, afirma o professor.

Os pesquisadores também utilizaram dados de mortalidade oficiais do país, o registro de câncer do Reino Unido e estatísticas hospitalares.

As máquinas programadas com inteligência artificial são como um upgrade de um modelo de cálculo conhecido como ?Regressão de Cox?, que se baseia na idade e no gênero dos indivíduos para realizar previsões, o que dificilmente apresentava precisão nos resultados.

Joe Kai, um dos acadêmicos participaram da pesquisa, disse que o interesse pelas inteligência artificial na saúde é crescente e significativo, ainda que nem sempre seja a melhor opção. ?Essas técnicas podem ser novas para muitos que trabalham com pesquisa em saúde e difíceis para acompanhar. Acreditamos que reportando claramente esses métodos de uma maneira transparente, isso pode ajudar na pesquisa científica e no futuro desenvolvimento desse emocionante campo para a assistência médica.?

Os pesquisadores da Universidade de Nottingham acreditam que a inteligência artificial será de grande ajuda para a medicina do futuro, e novas pesquisas devem validar esses algoritmos em outros grupos de pessoas e explorar outras maneiras para implementar esses sistemas na prevenção de doenças.

Por Maria Eduarda Cury
Link: https://exame.abril.com.br/tecnologia/inteligencia-artificial-pode-prever-mortes-prematuras-diz-estudo/

Veja também

Como lidar com as aftas27/08/19 Pequenas feridas que incomodam bastante! Assim são as aftas. Bem dolorosas, elas aparecem na boca, mais comumente nas mucosas dos lábios, língua e bochechas. Uma das características clínicas mais aparente é ser uma ferida recoberta por uma membrana amarelo-acinzentada, envolvida por um halo vermelho, cicatrizando em até 14 dias, normalmente. Para orientar como tratar esse problema de saúde que, apesar de não ser......
Anvisa reduz burocracia com novas resoluções15/04/19 Menos burocracia e mais facilidade nos processos de registro de medicamentos. Essa premissa do trabalho da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vem ganhando ainda mais ênfase na gestão da nova diretoria colegiada. Em entrevista exclusiva, Daniela......
Número total de agrotóxicos liberados em 2019 já soma quase 30025/07/19 Segundo o Greenpeace, de todos produtos liberados até agora, 32% são de agrotóxicos não permitidos na União Européia. Mantendo o ritmo recorde de aprovações de agrotóxicos, o governo liberou, nesta segunda-feira, mais 51 venenos no mercado brasileiro,......

Voltar para Notícias